Notícias

Exames Sem Papel avançam no setor convencionado

21 Fevereiro, 2018

Sob a responsabilidade da SPMS, EPE, o projeto “Exames Sem Papel” continua a avançar e a disponibilização de resultados dos Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica (MCDT) já é possível ao nível de entidades convencionadas. De referir que os exames médicos em questão são requeridos pelo médico, no âmbito dos Cuidados de Saúde Primários das unidades do Serviço Nacional de Saúde.

As entidades convencionadas pioneiras nesta iniciativa merecem um destaque especial. Os laboratórios do Grupo Joaquim Chaves Saúde, em Lisboa e no Algarve, e o Laboratório LUMILABO, em Lisboa, são casos de boas práticas na disponibilização de resultados de MCDT e exemplos que, em colaboração com a SPMS, EPE, poderão ser seguidos por mais entidades do setor convencionado.

Estas entidades disponibilizam resultados digitalmente, sem suporte papel, facilitando, assim, o acesso aos resultados de exames, que o utente poderá consultar na sua Área do Cidadão do Portal SNS e o médico no Registo de Saúde Eletrónico – Portal do Profissional.  Quando os resultados são disponibilizados na Área do Cidadão, o utente recebe um e-mail de alerta, no entanto, tal ação só é possível se o utente estiver devidamente registado.

O projeto Exames Sem Papel pretende, através da utilização de múltiplas plataformas de serviços centrais, alcançar a total desmaterialização do processo de prescrição, prestação e faturação de MCDT.

Atualmente, já são 170 unidades de colheita, entre entidades privadas e públicas espalhadas pelo país, a disponibilizar e partilhar resultados de forma eletrónica, evitando perdas de informação e deslocações dos utentes. Desde o dia 5 de dezembro de 2017 já se encontram cerca de 1 329 resultados disponíveis no Registo de Saúde Eletrónico.

Integrando o processo de transformação digital na Saúde, Exames Sem Papel constituem uma importante iniciativa do Ministério da Saúde, cuja principal finalidade passa por potencializar a aproximação do médico ao cidadão, a redução de desperdício na prestação de MCDT, a desburocratização e uma maior segurança para todos os intervenientes.

exames-sem-papel_arranqu_23jan2017

Um ano de “Exames Sem Papel”

19 Julho, 2019

“Um projeto de desmaterialização não é informático, é um projeto de alteração de processos”, realçou Henrique Martins, Presidente do Conselho de Administração da SPMS, no dia do primeiro exame sem papel com assinatura digital. Um ano depois do arranque, o que mudou?

1 ano de exames sem papel
Voltar
co-financiamento
dolor tempus vulputate, elementum pulvinar at
Voltar para o topo.