A Minha Saúde @ UE

Os cidadãos europeus têm direito a receber cuidados de saúde em qualquer país da União Europeia (UE). Com a ajuda dos avanços digitais, a Comissão Europeia e os Estados-Membros aderentes reuniram-se para trabalhar conjuntamente neste desafio.

Foram desenvolvidos os serviços A Minha Saúde na Europa, que integram os serviços Resumo de Saúde Eletrónico (Patient Summary), a Prescrição e a Dispensa Eletrónica (ePrescription/eDispensation) de medicamentos.

Graças a estes serviços, os cidadãos dos Estados-Membros aderentes podem beneficiar de cuidados de saúde quando viajam para outros países europeus, sob condições similares às do seu país sem preocupações com a barreira linguística.

Estes serviços permitem aos profissionais de saúde do país de destino acederem a informações básicas e essenciais através do Resumo de Saúde Eletrónico, que, em situações críticas, será fundamental. Por outro lado, com a Prescrição e Dispensa Eletrónica é possível obter medicação numa farmácia de um Estado-Membro aderente sem ter que apresentar a receita em papel.

Atualmente, os serviços ativos em Portugal são:

Resumo de Saúde Eletrónico (Patient Summary)
– PS A: Croácia, Luxemburgo, Malta, França, República Checa, Espanha, Países Baixos e Estónia
– PS B: Malta, Croácia, República Checa, Espanha e Estónia

Prescrição e Dispensa Eletrónica (ePrescription/eDispensation)
– eP A: Croácia, Estónia, Finlândia, Espanha e Polónia
– eP B: Croácia, Finlândia, Estónia e Espanha

A Diretiva 2011/24/EU do Parlamento Europeu e do Conselho, de 9 de março de 2011, relativa ao exercício dos direitos dos doentes em matéria de cuidados de saúde transfronteiriços prevê, no artigo 14.º, a criação de uma rede voluntária composta pelas autoridades nacionais responsáveis pela saúde de cada Estado-Membro, designada por eHealth Network.

No âmbito do mandato da eHealth Network, foram desenvolvidos os serviços A Minha Saúde na Europa entre instituições prestadoras de cuidados de saúde dos Estados-Membros.

A Minha Saúde na Europa é uma infraestrutura que assegura a continuidade dos cuidados de saúde a cidadãos europeus que viajam na UE. Os Estados-Membros conseguem, assim, facilitar a interoperabilidade no intercâmbio de informações de saúde do paciente, mediante consentimento, aos profissionais de saúde, contribuindo para a segurança do paciente ao reduzir a frequência de erros médicos.

Neste contexto, pretende-se dinamizar o intercâmbio de informação de saúde entre os países supracitados e, em concreto, a partilha transfronteiriça do Resumo de Saúde Eletrónico e da Prescrição e Dispensa Eletrónica. Assim, pretende-se promover a qualidade e a segurança dos cuidados de saúde prestados aos doentes que se encontrem noutro país da União Europeia (UE).

O Resumo de Saúde Eletrónico, a Prescrição e a Dispensa Eletrónicas podem ser acedidos entre os Estados-Membros aderentes, graças ao eHDSI – eHealth Digital Service Infrastructure, que conecta os serviços nacionais de eHealth de cada país, otimizando a interoperabilidade no intercâmbio de informações de saúde.

Portugal, representado pela SPMS – Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, E.P.E., participa como país de afiliação (país A) e como país de tratamento (país B) de doentes, procedendo à partilha do Resumo de Saúde Eletrónico e integrando os serviços transfronteiriços da Prescrição e Dispensa Eletrónica.

Os objetivos destes serviços são:

  • Facilitar o acesso rápido a informações de saúde do paciente, aos profissionais de saúde
  • Aumentar a acessibilidade da dispensa das prescrições em Estados-Membros
  • Contribuir para a segurança do paciente, reduzindo a frequência de erros médicos

Os países participantes nos serviços são denominados de País A (país de afiliação) e País B (país de tratamento). As prescrições eletrónicas e/ou resumo de saúde do paciente são armazenados no País A e obtidas por um profissional de saúde no País B. As informações de dispensa e/ou consulta do resumo de saúde são produzidas no País B, submetidas pelo País A. Por exemplo, se uma prescrição eletrónica da Finlândia for dispensada em Portugal, a Finlândia atua como País A e Portugal como País B.

De momento, os Estados-Membros aderentes aos serviços A Minha Saúde na Europa são Finlândia, Estónia, Luxemburgo, República Checa, Malta, Croácia, França, Espanha, Países Baixos, Polónia e Portugal.

Até 2025, ambos os serviços serão implementados, gradualmente e na sua totalidade, em 25 países europeus: Áustria, Bélgica, Croácia, Chipre, República Checa, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polónia, Portugal, Eslovénia, Espanha, Suécia, Eslováquia, Letónia e Bulgária.

Informação disponível nos outros países:

O Resumo de Saúde Eletrónico, a Prescrição Eletrónica e a Dispensa Eletrónica pretendem promover a qualidade e a segurança dos cuidados de saúde prestados aos doentes que se encontrem noutro país da UE.

  • Resumo de Saúde Eletrónico – Uma visão geral, essencial e facilmente compreensível do histórico clínico do paciente que ajuda o profissional de saúde a entender melhor o paciente estrangeiro.
  • Prescrição Eletrónica – Prescrição eletrónica de medicamentos feita por um profissional de saúde no país de afiliação, e a transmissão eletrónica dos dados de prescrição para uma farmácia no país de tratamento, onde a medicação pode ser dispensada.
  • Dispensa Eletrónica – A dispensa do medicamento ao paciente no país de tratamento, conforme indicado na Prescrição Eletrónica correspondente.

No caso do Resumo de Saúde Eletrónico, o serviço aplica-se apenas a cuidados de saúde não planeados.

Resumo de Saúde Eletrónico

O Resumo de Saúde Eletrónico é uma versão resumida e essencial do histórico clínico do paciente, que ajuda o profissional de saúde a entender melhor o paciente estrangeiro, nomeadamente em situações de urgência. Está disponível nos seguintes moldes:

  • Cidadãos malteses, croatas, checos, espanhóis e estónios que necessitem de cuidados médicos em Portugal.

As instituições de saúde aderentes são:

  • Unidade Local de Saúde do Alto Minho, E.P.E.
  • Centro Hospital Baixo Vouga (Aveiro)
  • Centro Hospital Póvoa do Varzim (Vila do Conde)
  • Hospital da Senhora da Oliveira (Guimarães)
  • Centro Hospitalar Universitário do Algarve, E.P.E.
  • Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, E.P.E.
  • Hospital Distrital de Santarém, E.P.E.
  • Unidade Local de Saúde da Guarda, E.P.E.
  • Centro Hospitalar Tondela Viseu, E.P.E.
  • Instituto de Oftalmologia Dr. Gama Pinto (Lisboa)
  • Centro Hospitalar Universitário Cova da Beira, E.P.E. (Covilhã)
  • Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano, E.P.E.
  • Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro – Rovisco Pais (Tocha)
  • Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, E.P.E.
  • Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil, E.P.E.
  • Unidade Local de Saúde do Nordeste, E.P.E. (Bragança)
  • Centro Hospitalar do Oeste, E.P.E. (Caldas da Rainha)
  • Santa Casa da Misericórdia de Riba de Ave
  • Hospital Distrital da Figueira da Foz, E.P.E.
  • Hospital da Horta, E.P.E. (Ilha do Faial, Açores)
  • Centro Hospitalar do Porto, E.P.E.
  • Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, E.P.E.
  • Centro Hospitalar de Setúbal, EPE
  • Hospital Santa Maria Maior, EPE (Barcelos)
  • Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil, EPE
  • Hospital Garcia de Orta, EPE
  • Hospital Dr. Francisco Zagalo (Ovar)

Na prática, se um cidadão maltês precisar de cuidados urgentes de saúde em Portugal, o médico poderá requisitar a visualização do Resumo de Saúde Eletrónico do cidadão maltês (que o tenha ativado e cujo médico tenha validado), de forma a garantir a continuidade dos tratamentos e da segurança do paciente.

  • Cidadãos portugueses que necessitem de cuidados médicos em Malta, Croácia, Luxemburgo, França, República Checa, Espanha, Países Baixos e Estónia.

Prescrição e Dispensa Eletrónica

A Prescrição e Dispensa Eletrónica de medicamentos permite aos cidadãos europeus obter medicamentos numa farmácia de outro Estado-Membro aderente, graças à transferência em linha da receita eletrónica do seu país de residência, através de um sistema de saúde, para o país de tratamento. É feita por um profissional de saúde no país de afiliação, e a transmissão eletrónica dos dados da prescrição é feita para uma farmácia estrangeira aderente, onde a medicação pode ser dispensada.

Os medicamentos apenas podem ser dispensados pela pessoa cujo nome conste na receita, mediante apresentação do cartão de identificação nacional.

A Dispensa Eletrónica do medicamento é feita ao paciente no país de tratamento, conforme indicado na Prescrição Eletrónica correspondente.

O serviço está disponível nos seguintes moldes:

  • Cidadãos portugueses que necessitem de dispensar medicamentos na Estónia, Finlândia, Croácia, Espanha e Polónia.
  • Cidadãos finlandeses, croatas, espanhóis e estónios que necessitem de dispensar medicamentos em Portugal.

As instituições de saúde aderentes são:

  • Farmácia Lemos (Porto)
  • Farmácia Aeroporto (Lisboa)
  • Farmácia Algarve (Loulé)
  • Farmácia Aliança (Porto)
  • Farmácia Almeida Cunha Lda. (Porto)
  • Farmácia Antiga da Porta do Olival (Porto)
  • Farmácia Avenida (Loulé)
  • Farmácia Barreiros (Porto)
  • Farmácia Boavista (Porto)
  • Farmácia Central (Lisboa)
  • Farmácia de Santa Catarina (Porto)
  • Farmácia do Aeroporto (Porto)
  • Farmácia dos Clérigos (Porto)
  • Farmácia Estácio (Lisboa)
  • Farmácia Exposul (Lisboa)
  • Farmácia Frazão (Lisboa)
  • Farmácia Grijó (Lisboa)
  • Farmácia Maria Paula (Loulé)
  • Farmácia Martins (Loulé)
  • Farmácia Normal (Lisboa)
  • Farmácia Principe Real (Lisboa)
  • Farmácia Sociedade Higilux Lda (Lisboa)
  • Farmácia Belém (Lisboa)
  • Farmácia Cruz Ramos (Loulé)
  • Farmácia da Música (Porto)
  • Farmácia Estrela (Lisboa)
  • Farmácia Miguel Calçada (Loulé)
  • Farmácia Nobre Passos (Loulé)
  • Farmácia Probidade (Lisboa)
  • Farmácia Silva (Loulé)
  • Farmácia Sousa Rodrigues (Loulé)
  • Farmácia Estádio (Lisboa)
  • Farmácia do Calvário (Lisboa)
  • Farmácia Fontes Pereira de Melo (Lisboa)
  • Farmácia Moreno (Porto)
  • Farmácia Picoas (Lisboa)

A informação constante no Resumo de Saúde Eletrónico transmitida para os Estados-Membros é:

  • Identificação do Utente (número de utente, nome e data de nascimento)
  • Unidade de Saúde e Médico de Família
  • Alergias
  • Medicação Crónica
  • Vacinas
  • Diagnósticos Médicos e de Enfermagem
  • Procedimentos Médicos
  • Dispositivos Médicos

De referir que os Diagnósticos Médicos e de Enfermagem, Procedimentos Médicos e Dispositivos Médicos dependem da aprovação do utente e do profissional de saúde para serem disseminados.

No caso do serviço de Prescrição Eletrónica, os dados transmitidos para os Estados-Membros correspondem aos dados das prescrições eletrónicas médicas, disponíveis para dispensa, que o utente apresenta.

No entanto, as farmácias dos Estados-Membros apenas acedem à informação constante na receita após a disponibilização, pelo utente, do código PIN de acesso e dispensa. Quando o utente apresenta uma receita eletrónica numa farmácia de um Estado-Membro, e identificando o país de afiliação, são disponibilizados ao farmacêutico os seguintes dados do utente:

  • Nome
  • Data de Nascimento
  • Sexo

Posteriormente para aceder aos dados da prescrição (nomeadamente número de receita, medicamentos prescritos, identificação do local de prescrição e identificação do médico), o farmacêutico terá de introduzir o código de acesso e dispensa disponibilizado pelo utente. 

O utente pode, a qualquer momento, autorizar ou retirar a autorização à visualização do seu Resumo de Saúde Eletrónico por profissionais de saúde de Estados-Membros, na Área do Cidadão do Portal SNS. Não é possível identificar especificamente um profissional de saúde para aceder ao seu Resumo de Saúde Eletrónico, pois um dos âmbitos deste serviço de partilha de dados de saúde é a prestação de cuidados de saúde em situações de urgência. No caso da Prescrição Eletrónica, o utente também pode, a qualquer momento, autorizar ou retirar a autorização na Área do Cidadão do Portal SNS, no que concerne à possibilidade de as prescrições estarem disponíveis no contexto dos Serviços Digitais de Saúde Europeus.

Para gerar e autorizar a partilha do seu Resumo de Saúde, o cidadão deve aceder à sua Área Pessoal do SNS 24 e “Iniciar Sessão” por um dos três métodos disponíveis: Chave Móvel Digital (CMD), Cartão de Cidadão ou através do Número de Utente de Saúde. Após autenticar-se, aparece o ecrã principal, onde deve clicar em “Os meus registos” > “Resumo de saúde”. Basta seguir os passos e o Resumo de Saúde é gerado automaticamente, sendo posteriormente validado pelo médico de família do cidadão, através do RSE | Área do Profissional. O documento “Resumo de saúde” pode ser guardado, pressionando o botão verde “Guardar documento”. De seguida, o cidadão deverá autorizar a partilha do seu Resumo de Saúde, caso pretenda que o mesmo seja acedido em situações de emergência internacional, acedendo ao website mencionado nessa mesma página (“Autorize aqui a partilha do seu resumo clínico com profissionais de saúde de outros Estados-Membros da União Europeia no contexto da prestação transfronteiriça de cuidados.”). Também é possível proceder às autorizações no menu principal, em “A minha área” > “Autorizações”. Aí, o cidadão deve verificar a permissão da seguinte condição para consentir o acesso ao seu Resumo de saúde por profissionais de saúde estrangeiros:

  • “Concordo que parte do meu Resumo de Saúde (em particular, meus diagnósticos; minhas alergias; meus procedimentos; minha medicação crónica) possa ser transferida/apresentada a um profissional de saúde, um médico registado num dos países da União Europeia, no contexto em que me sejam prestados cuidados de saúde.”

Versão em português

Versão em inglês

Versão em português


Versão em inglês

Voltar
co-financiamento
Voltar para o topo.