Notícias

“Parar para Pensar: Saúde” com participação da SPMS

8 Julho, 2022

A pandemia teve um contributo decisivo na mudança de mentalidades das pessoas no que toca às ferramentas digitais, também na saúde. A ideia foi defendida pelo Presidente do Conselho de Administração da SPMS, Luís Goes Pinheiro, na conferência “Parar para Pensar: Saúde”, promovida pelo Expresso com o apoio da Deco Proteste, realizada a 6 de julho com transmissão no Facebook do Jornal.

Com o objetivo de debater temas estruturantes no pós-pandemia, a 5ª de um ciclo de conferências contou com a participação de vários especialistas centrando-se nas principais questões e medidas relacionadas com o investimento, a sustentabilidade e a importância do SNS na promoção e proteção da saúde dos portugueses.

O dirigente da SPMS respondeu às questões da jornalista Marta Atalaya, realçando que a tecnologia é hoje um instrumento absolutamente fundamental da prestação de cuidados de saúde e a pandemia teve um contributo decisivo na mudança de mentalidade das pessoas. “Hoje, quer os utentes, quer os profissionais de saúde reclamam soluções digitais e estão muito mais familiarizados com a sua utilização”, salientou o dirigente, acrescentando que “passou também a haver da parte dos profissionais, e muito bem, uma exigência muito maior sobre os sistemas de informação.”

SNS 24 hoje atende o triplo das pessoas

A conversa passou pela capacidade de se encontrar soluções eficazes e de grande inovação em tempos de elevada exigência, sendo um bom exemplo o SNS 24.  Na pandemia “aprendemos, desde logo, que mais do mesmo não era a solução.” Hoje, as pessoas recorrem cada vez mais à linha, com questões para além da covid-19, e são atendidas cerca de 15 mil chamadas por dia, quando na pré-pandemia eram atendidas 5 mil.

O tema dos investimentos feitos no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), nomeadamente na transformação digital da saúde, foi abordado e Luís Goes Pinheiro destacou a área dos cuidados de saúde primários como prioritária, por exemplo na base da melhoria de instrumentos de trabalho e em ferramentas inovadoras que vão agilizar processos e acelerar bastante a resposta ao cidadão.

“Não há uma guerra entre o setor privado e o setor público. O que há é o cidadão que está no centro e que precisa de cuidados de saúde”, esclareceu o dirigente, reforçando que “é preciso é servir as pessoas da melhor maneira possível, com a melhor qualidade possível”, dando como exemplo os meios complementares de diagnóstico e terapêutica (MCDTs) requisitados, na sua maioria, nos cuidados de saúde primários do setor público, mas depois o cidadão vai realizar esses exames no setor convencionado. “Esta complementaridade entre setores é crucial para a prestação de cuidados de saúde.”

No debate, que contou também com as opiniões de Bruno Maia, médico especialista em Neurologia e Medicina Intensiva, André Peralta Santos, especialista em Saúde Pública e ex-dirigente da DGS, Guilherme Monteiro Ferreira, diretor de acesso ao mercado e assuntos externos, GSK, e Sónia Dias, diretora da Escola Nacional de Saúde, Luís Goes Pinheiro defendeu, na sua última intervenção, que “a saúde do futuro vai ser assente nos dados”.

Conferência: “Parar para Pensar: Saúde”

Temas

|

SPMS participa em debate sobre transformação digital e inteligência artificial

10 Abril, 2024

A transformação digital e o impacto no setor da Saúde deram o mote à participação de Luís Miguel Ferreira, vogal executivo da SPMS, em conferência que decorreu em Lisboa, ontem, dia 9 de abril. Na sua intervenção, Luís Miguel Ferreira destacou o papel fundamental que a SPMS assume no processo de transição digital, sublinhando o […]

PEM celebra 11 anos e 235 milhões de receitas sem papel

8 Abril, 2024

A aplicação de Prescrição Eletrónica Médica (PEM) foi disponibilizada, pela SPMS, ao sistema nacional de saúde em 2013. Desde então, permitiu emitir perto de 388 milhões de receitas eletrónicas, das quais mais de 235 milhões totalmente desmaterializadas. Quase 200 prescrições por minuto é a média diária de receitas emitidas, entre as 9 e as 20 […]

Voltar
Voltar para o topo.