Projetos

Interoperabilidade Técnica: LIGHt; PNB; NCP

Interoperabilidade Técnica

A interoperabilidade técnica faz parte da coordenação dos registos nacionais e a visão da SPMS engloba os seguintes produtos: LIGHt; PNB e NCP.

LIGHt –  Local Interoperability Gateway for Healthcare

LOGOS FINAIS_Light cor

É a Plataforma de Integração Local da SPMS.

Consiste num middleware, ou camada de integração que medeia a troca de informação entre os produtos da SPMS e os clientes externos. Fornece os sistemas internos com um motor de integração responsável pela gestão de interfaces de uma forma configurável, standardizada e segura, prevenindo o acesso direto e/ou não autorizado às bases de dados e permitindo uma auditoria aos acessos.

O objetivo desta plataforma é proporcionar aos sistemas internos um mecanismo de integração, que faz a gestão das interfaces de uma forma fiável, standardizada e altamente parametrizável. Está orientada para integrações locais, ou seja, dentro das próprias instituições, e a sua comunicação é feita com base em mensagens HL7 v2.5. A comunicação com o sistema central PNB (Portuguese Nacional Broker) é feita através do standard HL7 FHIR.

Mas é uma uma solução que vai para além da integração, é uma plataforma open source de interoperabilidade que endereça as 4 layers – legal, organizacional, semântica e técnica, pensada e desenvolvida para SONHO e SClínico Hospitalar.

Com a implementação da LIGHt, a SPMS tenciona promover a adoção de padrões nas mensagens trocadas ao nível local das instituições. Unificando, assim, os sistemas locais a nível nacional para que todos falem a mesma linguagem e de uma forma normalizada. Desta forma, pretende-se criar um alinhamento das instituições nacionais que facilite futuras integrações internacionais.

Em termos de segurança dos sistemas, a eliminação dos atuais acessos diretos às bases de dados dos produtos SPMS conferirá um incremento significativo do nível de controlo e de proteção a que estão sujeitos, tornando-os menos vulneráveis a fatores externos e, por outro lado, os dados que os suportam tornam-se mais seguros e fiáveis.

Objetivos:

  • Alinhar workflows de integração pelo standard internacional;
  • Evitar replicação de informação e reduzir os erros nos registos;
  • Centrar o profissional no utente.

Vantagens:

  • Interface standard e reutilizáveis;
  • Monitorização e reprocessamento (Backoffice);
  • Auditoria de acessos.

Potencialidades:

  • Qualidade dos registos;
  • Segurança;
  • Performance;
  • Saúde.

Especificação da LIGHt:

De forma a melhorar a resposta aos seus stakeholders, a SPMS disponibiliza um link de especificação utilizado pela LIGHt, partilhado por todos os hospitais e fornecedores para que, em qualquer momento, seja possível realizar uma consulta pública.

Pode aceder em: https://spmspt.atlassian.net/wiki/display/PD/LIGHt+-+Local+Interoperability+Gateway+for+Healthcare

PNB – Portuguese National Broker

É um sistema complexo que envolve várias entidades e componentes de software. Começou a ser desenvolvido em 2015 pela equipa de Interoperabilidade Técnica da SPMS, EPE., com a missão de promover a adoção dos standards internacionais, recomendados pela indústria de eHealth nas interfaces (existentes ou a desenvolver), com sistemas SPMS de âmbito nacional. O seu principal foco passa por atingir, não só a Interoperabilidade do ponto de vista técnico, mas também do ponto de vista semântico e legal.

O PNB é agora utilizado para estabelecer circuito interministerial, via plataforma da interoperabilidade da Administração Pública (iAP), implementando as melhores práticas internacionais em standards de interoperabilidade.

Em termos de arquitetura, defende a existência de um modelo de integração central orientado a eventos, genérico e escalável, que seja capaz de dar resposta a todas as integrações que envolvam sistemas centrais da SPMS.

Desenvolvido com tecnologia openSource funciona como um facilitador e intermediário entre clientes da plataforma, privilegiando, sempre que possível, o padrão assíncrono nas integrações que suporta.

Assim, o PNB tem como principais objetivos:

  • Centralizar e consolidar a transferência dos dados de Saúde entre as instituições/sistemas do SNS, entre Ministérios (via iAP – Plataforma da Administração Pública), ou entre países (via NCP – National Contact Point);
  • Contribuir para a promoção da Interoperabilidade de dados de Saúde através da adoção das melhores práticas internacionais em standards de Interoperabilidade técnica;
  • Melhorar a capacidade de manutenção e evolução dos workflows de integração nacionais e internacionais;
  • Permitir a rastreabilidade e auditoria dos processos de integração;
  • Facilitar a implementação e adesão de terceiros ao ecossistema de integração preconizado pelo SNS.

O PNB integra o fluxo de vários projetos e produtos, permitindo a troca de mensagens entre sistemas, através da disponibilização e/ou consumo de serviços, implementando mecanismos de segurança ao nível da autenticação e controlo de acessos.

Atualmente, passam pelo PNB uma média de 500 000 mensagens diárias, através das seguintes interfaces:

PNB_PEM (Prescrição Eletrónica de Medicamentos – PEM)

  • Pesquisa de Medicação Crónica
  • Pesquisa de Alergias
  • Sincronização de Medicação Crónica
  • Sincronização de Receitas

PNB_PEMP (PEM Privados)

  • Pesquisa de Medicação Crónica
  • Pesquisa de Alergias

PNB_VACINAS (Vacinas)

  • Pesquisa do estado do Boletim de Vacinas

PNB_ACC (Atestado da Carta de Condução)

  • Envio do Atestado Médico (AM) para o IMT via iAP

O projeto mais recente integrado no PNB é o PNB-ACC, que consiste na transmissão dos Atestados das Cartas de Condução entre o Ministério da Saúde e o Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT, I.P.). A fase piloto deste projeto arrancou no dia 01/03/2017, marcando a estreia do PNB na ativação de um circuito interministerial, via iAP.

NCP – National Contact Point

Tem como objetivo suportar toda a comunicação entre a infraestrutura nacional do Ministério da Saúde e o exterior (outros países europeus).

No âmbito da prestação de cuidados de Saúde transfronteiriços, o NCP PT contempla os dois seguintes use cases principais:

  • Patient Summary – Documento digital que resume aspetos clínicos fundamentais ao longo da vida do utente;
  • ePrescription/eDispensation – Consiste no pedido de uma prescrição, na transmissão eletrónica dessa prescrição desde o médico prescritor até ao profissional que realiza a dispensa do(s) medicamento(s), na dispensa eletrónica de medicamentos e na transmissão eletrónica da informação dos medicamentos dispensados desde o profissional que realiza a dispensa até ao médico que realizou a prescrição.
Voltar
co-financiamento
Voltar para o topo.