Notícias

Arquitetura de Sistemas de Informação para a Saúde

30 Janeiro, 2017

A sociedade está em constante mutação e, nesse sentido, as organizações esforçam-se para acompanhar as necessidades e mudanças, desenvolvendo novos meios de comunicação, sustentados tecnologicamente, para e com os cidadãos. Qualquer organização, para se demarcar no seu ecossistema, necessita de tratar a informação, de forma a melhor interagir e aperfeiçoar a comunicação, antecipando dificuldades que possam surgir, causadas pelas mudanças. Esta é uma realidade que atinge, também, as organizações da saúde, incitadas a apresentar sistemas de qualidade que correspondam às exigências.

Neste contexto, a SPMS é responsável pelo desenvolvimento de Sistemas de Informação (SI) que visam uma melhor e mais eficaz acessibilidade, privilegiando a continuidade dos cuidados e melhores condições aos profissionais e satisfação aos utentes. Os SI, através da desmaterialização que imprimem, garantem maior segurança, eficiência e acessibilidade aos cuidados de saúde.

Para melhor enquadrar os SI desenvolvidos, e ampliar a sua eficácia, a SPMS está a esboçar uma arquitetura de referência que, em breve, será disponibilizada através da plataforma disponível em: https://arquis.min-saude.pt, que irá permitir a operacionalização da definição da Arquitetura do Ecossistema de Informação de Saúde (eSIS).

A Arquitetura no Contexto dos SI enquadra-se numa área de conhecimento designada por enterprise architecture (arquitetura empresarial, em português), que permite à organização definir os objetivos do seu negócio para o presente e futuro. Contempla os aspetos chave da estratégia da empresa, abarcando a informação, as aplicações e a tecnologia, bem como os impactos destes parâmetros nas funções do seu negócio. Cada uma destas áreas é uma disciplina individual, sendo todas congregadas pela arquitetura empresarial. 

arquitetura

A Arquitetura de Negócio/Organização é a base para a identificação dos requisitos para os SI, que suportam as atividades de negócio. A Arquitetura de Dados/Informação descreve os aspetos lógicos e físicos dos dados da organização e a gestão dos recursos destes. É o resultado da modelação da informação, necessária para suportar os processos de negócio e funções da organização.

A Arquitetura Aplicacional possibilita um plano de desenvolvimento e/ou implementação de aplicações, de forma a satisfazer os requisitos de negócio e atingir a qualidade necessária.

A Arquitetura Tecnológica disponibiliza a base que suporta as aplicações, os dados e os processos de negócio, identificados em cada uma das outras arquiteturas. Identifica e planeia os serviços computacionais que constituem a infraestrutura técnica da organização. Estes serviços disponibilizam o mecanismo que permite a escalabilidade, fiabilidade, disponibilidade, flexibilidade, segurança, integridade e desempenho.

A Arquitetura de SI consiste na aplicação de um método compreensivo e rigoroso, para descrever uma estrutura num processo organizacional, presente ou futuro. Visa disponibilizar à organização uma plataforma, seja documento, estrutura ou um repositório, que defina e descreva a sua visão de negócio e permita que os objetivos sejam alinhados com todos os outros aspetos funcionais (processos de negócio, sistemas de informação, tecnologias etc).

Esta arquitetura pressupõe outros objetivos, nomeadamente: perceber a relação entre as entidades informacionais e os processos de negócio; facilitar a reengenharia dos processos de negócio; disponibilizar do suporte aplicacional para os processos de negócio; facilitar a interoperabilidade entre sistemas aplicacionais de fornecedores distintos e apoiar na tomada de decisão por parte dos gestores da TI.

O desenvolvimento de uma Arquitetura de SI deve ser encarada como um investimento para o futuro. Os benefícios permitem:

  • Alinhamento – assegurar que a estratégia da organização e os seus SI são convergentes;
  • Integração – garantir que as regras de negócio são consistentes na organização e que os recursos de dados são conhecidos e partilhados, de forma apropriada, e que a padronização das interfaces e dos fluxos de informação devem funcionar de forma interoperacional;
  • Mudança – facilita e gere a mudança em qualquer área da empresa;
  • Rapidez e eficiência – reduz o tempo de desenvolvimento dos sistemas, minimizando os requisitos para novas aplicações e acelera a modernização;
  • Convergência e interoperabilidade – permite adquirir infraestruturas standard.
Arquitetura_sistemas_jan2017

“Exames Sem Papel” vence “Prémio Transformação Digital 2022”

28 Novembro, 2022

O Prémio Transformação Digital 2022 foi atribuído ao projeto “Exames Sem Papel”, na categoria “Promoção da Sociedade mais Inovadora e Digital”, na 2ª edição desta iniciativa promovida pela APDSI – Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação. A app SNS 24 foi reconhecida com uma menção honrosa na categoria “Proximidade com o […]

Diretor executivo do SNS elogia trabalho da SPMS

26 Novembro, 2022

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) "tem de ser muito bem utilizado" para permitir o "salto tecnológico" do SNS, defendeu o diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde (SNS), Fernando Araújo, no encerramento da eHealth Sessions 2, que decorreu ontem no Porto.

“É muito inspirador ter uma sessão sobre Dados”

25 Novembro, 2022

"Estamos aqui para a segunda eHealth Sessions. A ideia de criar estas sessões de debate de temas de saúde digital foi de facto uma boa ideia”, sublinhou o presidente da SPMS, Luís Goes Pinheiro, na sessão de abertura no auditório da Fundação Eng. António de Almeida.

Voltar
co-financiamento
Voltar para o topo.