Notícias

Primeiro Catálogo Português de Alergias e Reações Adversas já disponível

18 Julho, 2012

A Direção Geral de Saúde (DGS) emitiu, no início do mês de julho, uma norma que obriga os médicos e enfermeiros a registar as alergias ou reações adversas observadas durante o internamento, consulta, emergência ou noutro episódio de prestação de cuidados de saúde. Este registo deve obedecer à tipologia definida pelo Catálogo Português de Alergias e Reações Adversas (CPARA) também divulgado no início do mês.

A DGS estipula ainda que os profissionais do SNS registem todas as alergias e reações observadas em episódios anteriores e indica às instituições de saúde que deverão “dotar-se de aplicações informáticas que permitam a rastreabilidade do autor da informação, data e hora de registo”.

Estas aplicações devem ser adaptadas à parametrização definida no CPARA no prazo máximo de 6 meses depois da publicação da norma da DGS emitida a 4 de julho. Caberá à DGS e à SPMS atualizar o CPARA todos os anos.

A DGS considera que as doenças de índole alérgica são “cada vez mais frequentes e graves, podendo implicar risco de vida”. A elaboração do primeiro CPARA surge da necessidade em normalizar em termos semânticos os conceitos e registos ligados a alergias e reações adversas, de forma a criar uma linguagem comum a todos profissionais de saúde e aos sistemas de informação utilizados no sector da saúde.

O CPARA foi elaborado pela CIC – Comissão para a Informatização Clínica em colaboração com a Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica e inclui os contributos da First Solutions e da FMUP – Faculdade Medicina da Universidade do Porto. 

Norma da DGS sobre registo de alergias

Catálogo Português de Alergias e Reações Adversas (CPARA) 

Espirro

Comitiva da Eslováquia visita SPMS

29 Junho, 2022

A SPMS recebeu uma comitiva eslovaca no âmbito da visita de estudo promovida pela DG Reform da Comissão Europeia e pelo Ministério da Saúde da Eslováquia nesta quarta-feira, dia 29 de junho, em Lisboa.

SNS 24 continua a melhorar acesso e promove equidade

23 Junho, 2022

O contacto remoto entre o cidadão e o Serviço Nacional de Saúde, independentemente da porta escolhida: telefónica, digital ou presencial, tem contribuído para fomentar a inclusão social e a literacia digital em saúde, possibilitando uma experiência uniforme, integrada e com qualidade.

Voltar
co-financiamento
tristique id, quis, commodo diam in Sed mi, sit
Voltar para o topo.